Do Haiti à ‘terra nova’

contexto de vida e processo migratório de famílias haitianas

Autores

DOI:

https://doi.org/10.1590/1980-85852503880006915

Palavras-chave:

migração internacional, família imigrante, haitianos, contexto de vida

Resumo

Este estudo qualitativo objetivou caracterizar o contexto de vida e os significados atribuídos ao processo migratório de famílias haitianas. Participaram da pesquisa sete haitianas, mães, que tiveram filhos no Brasil. Na coleta dos dados, utilizou-se a combinação da entrevista em profundidade e Meca Genograma. A organização e a análise dos dados tiveram como base a Grounded Theory e o auxílio do software Atlas.ti 22.1.0, da qual emergiram cinco categorias de análise. Os resultados evidenciaram que a condição de vida no Haiti configurou-se como estressor do ciclo vital familiar e impulsionou o processo migratório. Identificou-se que a migração significou a possibilidade de vida com mais segurança, o acesso aos serviços de saúde, a educação de qualidade e as oportunidades de emprego. Observou-se que a ambivalência de sentimentos acompanhou todo o processo migratório, que somada à barreira linguística e aos lutos vivenciados, tensionaram a decisão de migrar e a chegada ao Brasil.

Biografia do Autor

Ana Paula Risson, FAE Centro Universitário. Curitiba, PR, Brasil.

Psicóloga, Mestra em Ciências da Saúde e Doutora em Psicologia (PPGP - UFSC). Bolsista da Capes no período de realização do doutorado. Professora no Curso de Psicologia, na FAE Centro Universitário. Endereço: Programa de Pós-Graduação em Psicologia – PPGP. Centro de Filosofia e Ciências Humanas (CFH). Campus Universitário. Bairro Trindade. Florianópolis –SC.

Carmen Leontina Ojeda Ocampo Moré, Universidade Federal de Santa Catarina – UFSC

Psicóloga, Mestra e Doutora em Psicologia Clínica pela PUC-SP. Profa. Titular no Programa de Pós-Graduação em Psicologia – PPGP, na Universidade Federal de Santa Catarina – UFSC. Endereço: Programa de Pós- Graduação em Psicologia – PPGP. Centro de Filosofia e Ciências Humanas (CFH). Campus Universitário. Bairro Trindade. Florianópolis – SC. 

Referências

Afegãos acampados no Aeroporto de Guarulhos serão acolhidos na capital, por Daniel Mello. Agência Brasil. São Paulo, 16.09.2022. Disponível em: . Acesso em: 01.10.2022.

BAENINGER, Rosana; PERES, Roberta. Migração de crise: a migração haitiana para o Brasil. Revista Brasileira de Estudos de População, Rio de Janeiro, v. 34, n. 1, p. 119- 143, 2017. DOI: <http://dx.doi.org/10.20947/S0102-3098a0017>.

CARTER, Betty; McGOLDRICK, Monica. As mudanças no ciclo de vida familiar: Uma estrutura para a terapia familiar. Porto Alegre, Brasil: Artmed, 1995.

COSTA, Gelmino. Haitianos no Brasil. In: CUTTI, Dirceu et al. (org.). Migração, trabalho e cidadania. São Paulo: Educ, 2015, p. 59-87.

COTINGUIBA, Geraldo C. Aletranje - a pertine?ncia da fami?lia na ampliac?a?o do espac?o social transnacional haitiano: o Brasil como uma nova baz. Tese de doutorado, Programa de Po?s-Graduac?a?o em Desenvolvimento Regional e Meio Ambiente, Universidade Federal de Rondo?nia. Porto Velho, 2019.

FALICOV, Celia Jaes. Latino families in therapy. 2 ed. New York: The Guilford Press, 2014.

______. Processos normativos das famílias imigrantes: uma estrutura multidimensional. In: WALSH, Froma. Processos normativos da família: diversidade e complexidade. Trad. Sandra Maria Mallmann da Rosa. Porto Alegre: Artmed, 2016.

GRANDESSO, Marilene. Sobre a Reconstrução do Significado. 3 ed. São Paulo: Casa do Psicólogo, 2011.

GUEST, Greg; BUNCE, Arwen; JOHNSON, Laura. How many interviews are enough? An experiment with data saturation and variability. Field Methods, v. 18, p. 59-82, 2006. DOI: 10.1177/1525822X05279903.

IOM. World Migration Report, 2022. Gebeva, 2022. Disponível em: .

JOSEPH, Handerson. Diaspora: Sentidos sociais e mobilidades haitianas. Horizontes Antropológicos, v. 21, n. 43, p. 51-78, 2015. DOI: doi.org/10.1590/S0104- 71832015000100003.

McGOLDRICK, Monica; SHIBUSAWA, Tery. O ciclo vital familiar. In: WALSH, Froma. Processos normativos: diversidade e complexidade. Porto Alegre: Artmed, 2016. p. 376- 398.

MONTAÑO, Luz María López; OROZCO, María Olga Loaiza. Padres o madres migrantes internacionales y su familia: Oportunidades y nuevos desafíos. Revista Latinoamericana de Ciencias Sociales, Niñez y Juventud, v. 7, n. 2, p. 837-860, 2009.

MORÉ, Carmen Leontina Ojeda Ocampo. A “entrevista em profundidade” ou “semiestruturada”, no contexto da sau?de: dilemas epistemolo?gicos e desafios de sua construc?a?o e aplicac?a?o. Atas CIAIQ2015, n. 3, p. 123-131, 2015.

RESTREPO, Jair Eduardo et al. Aproximación al proceso migratorio de las familias venezolanas al Área Metropolitana del Valle de Aburrá. Revista Latinoamericana de Estudios de Familia, v. 11, n. 2, p. 59-79. 2019. Disponível em: .

SILVA, Sidney Antônio. Imigração e redes de acolhimento: o caso dos haitianos no Brasil. Revista Brasileira de Estudos de População, v. 34, n. 1, p. 99-117, 2017. DOI: DOI: <https://doi.org/10.20947/S0102-3098a0009>.

STRAUSS, Anselm; CORBIN, Juliet. Pesquisa qualitativa: Técnicas e procedimentos para o desenvolvimento de teoria fundamentada. Porto Alegre: Artmed, 2008.

TRAD, Leny. Processo migratório e saúde mental: rupturas e continuidade na vida cotidiana. Physis, v. 13, n. 1, p. 139-156, 2003. DOI: <https://doi.org/10.1590/S0103- 73312003000100007>.

Downloads

Publicado

2023-12-18

Como Citar

Risson, A. P., & Moré, C. L. O. O. (2023). Do Haiti à ‘terra nova’: contexto de vida e processo migratório de famílias haitianas. REMHU, Revista Interdisciplinar Da Mobilidade Humana, 31(69), 249–266. https://doi.org/10.1590/1980-85852503880006915