Solidaridad y Fraternidad. Una nueva clave ético-política para las migraciones

  • Ana Paula Penchaszadeh Investigadora del CONICET con sede en el Instituto de Investigaciones Gino Germani, Profesora en la Universidad de Buenos Aires (UBA). Buenos Aires, Argentina. E-mail: anapenchas@gmail.com http://orcid.org/0000-0002-9260-7509
  • Senda Inés Sferco Investigadora del CONICET con sede en el Instituto de Investigaciones Gino Germani, Profesora en la Universidad Nacional del Litoral. Buenos Aires, Argentina. E-mail: senda.sferco@gmail.com http://orcid.org/0000-0001-9482-5801

Resumo

Este artigo propõe-se analisar, sob uma perspectiva filosófica e política, os debates em torno da figura do "delito de solidariedade"na França, tomando como ponto de partida o caso de Cédric Hérrou, processado e condenado em diversas instâncias, por ter fornecido ajuda a migrantes "sem papéis". Com ênfase na decisão do Conselho Constitucional Francês que, em julho de 2018 e em nome do princípio de Fraternidade, deixou sem efeito o "delito de solidariedade" nos casos em que a ajuda oferecida foi dada por razões puramente humanitárias e dentro do território francês. Consideramos que este caso tem um valor exemplar na hora de pensar os dilemas teóricos, bem como a potência ético-política, das migrações nas ordens democráticas atuais. Palavras-chave: solidariedade, migrações, política, desobediência, hospitalidade.

Biografia do Autor

Ana Paula Penchaszadeh, Investigadora del CONICET con sede en el Instituto de Investigaciones Gino Germani, Profesora en la Universidad de Buenos Aires (UBA). Buenos Aires, Argentina. E-mail: anapenchas@gmail.com

Ana Paula Penchaszadeh é formado em Ciência Política pela Universidade de Buenos Aires (UBA), Mestre em Sociologia e Ciência Política da FLACSO (Argentina), doutor em Ciências Sociais da Universidade de Buenos Aires e doutor em Filosofia pela Université Paris 8 . no momento, ela é um vice-investigador do Conselho Nacional de Pesquisa Científica e Tecnológica da Argentina, com base no Germani Instituto de Investigação Gino da Faculdade de Ciências Sociais da UBA e professor de graduação e pós-graduação na UBA. Ele aborda questões relacionadas com a migração, a hospitalidade, direitos humanos e novas formas políticas de cidadania no mundo contemporâneo e dirige o Projeto PICT "poder prático do pensamento político pós-fundacional. Chaves para a compreensão das diferentes figuras de alteridade no mundo contemporâneo" , CONICET-IIGG / FCS / UBA (2017-2020, BID). É autora de numerosos artigos acadêmicos e divulgação das ciências humanas e sociais e do livro Política y hospitalidad.Disquisiciones urgentes sobre la figura del extranjero (Eudeba: Buenos Aires, 2014).

Senda Inés Sferco, Investigadora del CONICET con sede en el Instituto de Investigaciones Gino Germani, Profesora en la Universidad Nacional del Litoral. Buenos Aires, Argentina. E-mail: senda.sferco@gmail.com
Senda Sferco é licenciada em antropologia pela Universidade Nacional de Rosario (Argentina), Diplomada em Estudos Culturais e Artísticos pela Escola de Artes de Indonésia (STSI Denpasar), Doutor em Ciências Sociais da Universidade Nacional de Quilmes (Argentina) e PhD em Filosofia na Université Paris 8 (França). Ela atua como pesquisador do Conselho Nacional de Pesquisa Científica e Tecnologias baseadas no Instituto de Pesquisa Gino Germani da UBA e como professor de pós-graduação e pós-graduação na Universidade Nacional del Litoral. Ela estuda os campos do pensamento filosófico e político contemporâneo, especialmente em relação à problematização da temporalidade que rege a produção de subjetividade e ação política no presente. Ela está envolvida em vários projetos de pesquisa e é co-diretora do Projeto PICT "Poder prático do pensamento políticas pós-fundacionais Chaves para entender diferentes figuras de alteridade no mundo contemporâneo ", CONICET-IIGG / FCS / UBA (2017-2020, BID), dir. TO. Penchaszadeh). Ela é tradutora e intérprete de francês. Autor de numerosos artigos acadêmicos e o livro Foucault y kairós: los tiempos discontinuos de la acción política. Bs. Como: UNQ 2015.

 

Publicado
2019-04-25