Chamada de artigos: REMHU n. 61 (abril 2021) e n. 62 (agosto 2021)

2018-05-09

número 61 da Revista, de abril de 2021, incluirá um dossiê sobre o tema: “COVID-19, Estado de emergência e migrações” (data limite para entrega dos artigos, 10 de janeiro de 2021).

O objetivo do dossiê é analisar a conjuntura marcada pela pandemia da COVID-19 em relação a pessoas migrantes e refugiadas, com todas as suas implicações em termos de direitos humanos e (i)mobilidade, destacando também as práticas de resistência por parte das pessoas diretamente envolvidas ou organizações  solidárias.

Além disso, o dossiê pode focar também a possível implementação de um "estado de emergência" ou "exceção", motivado por razões de egurança, ordem ou saúde pública, como técnica governamental destinada à suspensão de direitos ou à eliminação física ou social "de categorias inteiras de cidadãos que, por qualquer razão, pareçam não integráveis ao sistema político" (Agamben, p. 13).

Alguns dos temas que podem ser abordados:

- Os sujeitos migrantes (migrações irregulares, femininas e LGBT) no contexto da pandemia da COVID-19.

- Estratégias de resistência e resiliência diante da pandemia.

- Estratégias de (i)mobilidade no contexto da pandemia.

- Práticas solidárias por parte da sociedade organizada junto a pessoas migrantes e refugiadas no contexto da pandemia.

- Estado de emergência/exceção, políticas migratórias e suspensão/redução de direitos de pessoas migrantes e refugiadas.

****

número 62 da Revista, de agosto de 2021, incluirá um dossiê sobre o tema: "Mobilidade humana e diásporas contemporâneas” (data limite para entrega dos artigos, 10 de abril de 2021).

O conceito de diáspora possui um longo processo de construção semântica. A OIM utiliza uma definição extremamente ampla – “Qualquer pessoa ou população étnica que abandona a pátria tradicional da sua etnia, estando dispersa por outras partes do mundo” (OIM, 2019, p. 17). Ainda assim, em sua evolução, o conceito abrange um conjunto de características: a origem comum de um “centro” do qual migrantes ou descendentes de migrantes foram dispersos; a conservação de uma memória coletiva em relação à terra de origem; uma identidade diaspórica, focada no pressuposto de não serem plenamente aceitos na terra de chegada e na conservação ou restauração de sua pátria original; a presença de laços, reais, simbólicos ou virtuais com essa terra natal.
O conceito de diáspora questiona o assim chamado “nacionalismo metodológico” e levanta desafios referentes a várias temáticas: o transnacionalismo, a formação de redes, o processo de “integração” nas terras de chegada,  as capacidade de organização e mobilização política, o fortalecimento e conservação de identidades étnicas e religiosas, as relações intergeracionais em contextos diaspóricos, as contribuições em termos de desenvolvimento e emprendedorismo, entre outros.
Temas que podem ser aprofundados no dossiê:
- Aprofundamento teórico da categoria “diáspora”;
- A caracterização de novos grupos diaspóricos em diferentes contextos;
- A incidência e atuação política de grupos diaspóricos em seus países de origem;
- A participação de grupos diaspóricos na configuração de redes;
- A relação entre as formações diaspóricas e pertencimento étnico, religioso e /ou político;
- Relações integeracionais em contextos diaspóricos;
- Diásporas e desenvolvimento;
- (...)