Sob o Arco-Íris

Migração, Precariedade e Poder Popular na África do Sul Pós-Apartheid

Palavras-chave: sociologia, economia política, migração, desigualdade social, movimentos sociais, racismo, África do Sul

Resumo

O artigo discute a precariedade como um ponto de convergência para a resistência, assim como uma condição social ligada à transição da elite na África do Sul pós-apartheid. Concentrando-se nas forças sistêmicas que impulsionam pobreza, desigualdade e meios de subsistência precários, o artigo aborda a transformação da força de trabalho da África do Sul e seu sistema migratório desde uma gestão centralizada de trabalho não-livre pela burocracia estatal do apartheid para um Estado de precariedade pós-apartheid movido pela “flexploitation”. O nexo entre trabalho precário e uma cidadania dividida é visto como um "dualismo da flexibilidade" que liga práticas de emprego e controle do trabalho a áreas como benefícios sociais, status de cidadania, participação política e meios de subsistência informais. Isso é aplicável tanto aos migrantes como aos nativos, sendo os migrantes particularmente "flexíveis". O autor conecta a questão da precariedade com a política da xenofobia, vista como um estratagema para a manutenção de uma hegemonia política pós-apartheid no enfrentamento das desafiadoras lutas laborais e uma cidadania insurgente dos pobres.

Publicado
2018-11-27